1º módulo presencial da quarta turma da Aceleração do BrazilLAB

07/02/2020 às 13h34

Nos dias 30 e 31 de janeiro foi iniciado o 4º Ciclo de Aceleração do BrazilLAB. As startups selecionadas já estavam interagindo e recebendo mentorias à distância desde dezembro, mas a data marcou o começo oficial do programa, por meio do primeiro dos três módulos presenciais. Ele foi realizado no Cubo Itaú, em São Paulo, e contou com representantes das 26 startups de onze estados do país aprovadas para a aceleração, com soluções que atendem aos três desafios propostos pelo programa (clique aqui para conhecê-los). O foco desta etapa inicial foi integrar o grupo e aprender mais sobre Inovação em Governo, Experiência do Usuário (UX) e Design de Produtos. 

Integração dos empreendedores e rodada de apresentação

O primeiro dia do módulo foi dedicado à apresentação dos objetivos do Programa de Aceleração pelo time do BrazilLAB, além de uma dinâmica para integração dos participantes e compartilhamento das soluções desenvolvidas pelas suas startups. Para isso, cada um dos empreendedores teve três minutos para fazer um pitch inicial para o grupo.

Foram muitas histórias ricas e soluções inovadoras, como a do Parças, que implementa cursos de programação para adolescentes que estão no sistema socioeducativo, a Inteceleri, que utiliza inovações tecnológicas para acelerar a mudança no processo de ensino e aprendizado - um de seus produtos é um óculos de realidade virtual feito com fibra da amazônia -, entre outras . Praticamente metade das startups selecionada já tem hoje interações com governos, sendo que 13 atendem ao desafio Eficiência na Gestão Pública, 06 ao desafio de Habilidades para a Sociedade 5.0 e 07 ao desafio de Smart Cities e Urban Techs.

Ao apresentar o Programa, o Diretor do BrazilLAB, Guilherme Dominguez, destacou que, mais do que os conteúdos técnicos que serão ministrados ao longo do programa, o maior benefício para as startups selecionadas passa a ser fazer parte de uma rede forte e que deve ser aproveitada. “Acredito muito nessa conexão, no que acontece ao longo da Aceleração, mais do que na tecnologia, nas sinapses humanas que são geradas ao longo do programa. Porque, ao longo desses quatro anos, aprendemos que boas ideias reunidas em torno de boas pessoas têm muito poder, podem fazer um impacto verdadeiramente grande”. 

Encerrando o primeiro dia, Igor Coelho, CEO do Gesuas (vencedor do último ciclo de aceleração), compartilhou as estratégias de vendas para o setor público de sua startup e, principalmente, suas experiências e aprendizados a respeito do programa do BrazilLAB. “As oportunidades que tivemos de encontrar os empreendedores fizeram a diferença. Pois era o momento de estar junto com outros gestores que vivenciam os mesmos desafios que nós, o que nos permitiu criar atalhos", destacou.

 

Um mergulho na experiência do usuário - ou melhor, do cidadão

No segundo dia, as startups tiveram uma imersão em Experiência de Usuário (UX) e Design de Produtos voltado para o setor público, com um dia inteiro de atividades e debates dedicados ao tema. A condução ficou a cargo da consultora Marília Câmara de Assis, Coordenadora de Estratégias de Inovação na Oppen Social. Ela destacou que, quando se trata de inovação no setor público, existem quatro elementos fundamentais que devem ser considerados:

1 - Foco no cidadão: “trata-se do ponto central do design de experiência do usuário”;

2 - Modelo mental e Cultura organizacional: “aqui temos o desafio da rápida progressão na carreira pública e da falta de estímulo para entregar resultados de fato transformadores, por parte de servidores”;

3 - Uso da tecnologia e de dados: “destaco as iniciativas de laboratórios de inovação que têm se espalhado por prefeituras”;

4 - Fortalecimento de parcerias: “governos têm a consciência de que não possuem todo o conhecimento interno para escolher e executar os caminhos. Então, começam a olhar com bons olhos a formação de parcerias com startups.”

Marília, então, abordou o tema de UX, que no setor público representa um duplo desafio, pois abrange todo ponto de contato com o usuário final (o cidadão), bem como os servidores públicos envolvidos com as ferramentas tecnológicas. “Isso implica formas de pensar processos, linguagem multidisciplinar, conjunto de ferramentas, abordagem para resolver problemas com foco nas pessoas, criação colaborativa para desenvolver soluções PARA e COM as pessoas e, principalmente, o modo de vivenciar um serviço/produto”. 

Esse foi o resumo do primeiro módulo presencial do 4º Ciclo de Aceleração do BrazilLAB. O segundo módulo presencial, que será sobre Relações Governamentais e Compras Públicas, acontecerá em fevereiro, e o terceiro e último, sobre avaliação de impacto, em março. 

Fonte:

https://brazillab.org.br/noticias/foi-dada-a-largada-confira-destaques-do-primeiro-modulo-presencial-da-4a-turma-da-aceleracao-do-brazillab?utm_campaign=newsletter_-_janeiro_2020&utm_medium=email&utm_source=RD+Station